MENU

“Pregaremos o Evangelho até que todos tenham ouvido”

Ministérios cristãos acreditam que paz com a Coreia do Norte abrirá portas para evangelização


Chung Soo Kim
Chung Soo Kim é radialista e trabalha na Far East Broadcasting Company há mais de 20 anos. (Foto: Alan Mittelstaedt)

Com a intervenção do presidente Trump, o líder da Coréia do Norte, Kim Jong Un iniciou um processo de paz com a Coreia do Sul, que irá mudar a relação daquelas nações.

Além da promessa da Coréia do Norte em acabar com seus testes nucleares, a ideia de unidade não é mais um sonho impossível.

Dias depois das conversas históricas dos presidentes das duas Coreias, ambos os lados começaram a desmontar os enormes alto-falantes que ficavam ao longo da fronteira e usados ​​para fazer provocações e ataques à ideologia oposta.

Leia mais

“Nossos militares já começaram o processo de retirar as mensagens de propaganda anti-Coreia do Norte”, disse Choi Hyun-soo, porta-voz do governo sul-coreano. “Esta medida foi tomada para cumprir nossa promessa de cessar todas as atividades hostis.”

Quem não pretende interromper suas transmissões diárias para a Coreia do Norte é Ed Cannon, presidente da Far East Broadcasting Company (FEBC). Seu ministério utiliza o rádio para pregar as boas novas na Ásia. Ele diz que os esforços para levar o evangelho aos norte-coreanos continua sendo sua prioridade.

“Continuaremos transmitindo o evangelho até que todos tenham ouvido”, assegura. Por mais de 75 anos, a FEBC tem usado ondas de rádio para enviar a mensagem de Jesus Cristo ao redor do mundo.

Seus programas estão disponíveis em 107 idiomas, sendo transmitidos para 49 países, através de 149 estações e retransmissores.

“Nosso objetivo na Coréia do Norte é o mesmo em todos os outros países: compartilhar o evangelho através do rádio para que as pessoas conheçam a Jesus Cristo como seu Salvador”, disse Cannon.

Ele acredita que os esforços de evangelização de norte-coreanos precisam ser intensificados. “As pessoas na Coréia do Norte não têm exposição à fé cristã”, lembra ele. “Alguns de nossos programas são para ensino das Escrituras ou devocionais.”

A Coreia do Norte continua sendo o país mais perigoso do mundo para os cristãos. Há punições para quem for pego ouvindo programas como os da FEBC.

“Ouvimos algumas histórias horríveis de pessoas sendo torturadas e perseguidas”, relata Cannon, que lamenta: “Pessoas ainda são executadas por adorarem a Deus seja individualmente ou em grupo”.

País mais fechado do mundo para o evangelho

Segundo a Portas Abertas, há 16 anos a Coreia do Norte é o país mais fechado do mundo para o cristianismo. Existem cerca de 50.000 cristãos presos ou nos campos de trabalhos forçados somente por causa da sua fé.

O ministério liderado por Cannon sabe que é impossível dizer quantos norte-coreanos estão ouvindo seus programas. “É muito difícil para os norte-coreanos enviar mensagens para a Coreia do Sul e, em alguns casos, é muito perigoso. Mas soubemos de pessoas que são muito gratas pela oportunidade de ouvir o evangelho nas condições em que são forçadas a viver.

Uma das estratégias da FEBC tem sido contrabandear milhares de pequenos rádios portáteis para o outro lado da fronteira. “Às vezes, enviamos os balões meteorológicos; às vezes trabalhamos com parceiros que levam materiais para a Coreia do Norte, incluindo nossos rádios.”

Chung Soo Kim, um locutor de rádio que trabalha para a FEBC há mais de 20 anos, está esperançoso. “Estamos fazendo o melhor que podemos para trazer a reunificação através da fé. Permanecemos fiéis à nossa missão que é proclamar o evangelho. É claro que todos os nossos funcionários oram pelo dia em que as Coreias do Norte e do Sul estejam de fato reunificadas, nosso objetivo é dar a eles esperança”, acrescentou.

A FEBC está pedindo aos cristãos de todo o mundo que orem por todo esse processo e para que mais norte-coreanos ouçam o evangelho de Cristo seja pela transmissão de rádio ou ao vivo, quando for novamente permitida a entrada de missionários. Com informações CBN



Assuntos: ,


Deixe sua opinião!

Mais notícias