MENU

Professora proíbe símbolos cristãos em aula, mas distribui adesivos LGBT aos alunos

Pais reclamam que professora homossexual quer impor sua ideologia aos filhos


Bottons LGBT (Foto: LIBERTY COUNSEL)

Uma polêmica tomou conta do sistema educacional da Flórida, EUA, por conta das atitudes da professora Lora Jane Riedas. Ela obrigou os alunos cristãos a esconderem símbolos cristãos como colares com cruzes, mas ao mesmo tempo promove ativismo LGBT em sala de aula.

O Liberty Counsel, organização cristã que defende a liberdade religiosa, enviou uma carta a Jeff Eakins, responsável pelas das escolas públicas no condado de Hillsborough pedindo providências.

Leia mais

A mãe de um dos alunos resolveu denunciar a prática da professora de matemática da Escola de Ensino Médio Riverview. Ela não permite manifestações religiosas em aula, inclusive ameaça punir os alunos que não concordam com a ideologia LGBT.

Segundo relatos dos alunos, Lora já proibiu publicamente três estudantes de usarem cruzes no ambiente escolar, alegando que são “símbolos de violência”. Ela inclusive forçou um deles a tirar a cruz do pescoço antes de entrar na sala, insistindo que era algo “desrespeitoso”, mas sem justificar que essa fosse uma política da escola.

O Liberty Consel denuncia que a professora Riedas, assumidamente lésbica e que vive maritalmente com outra professora da escola, está fazendo “ativismo político” ao decorar a sala de aula onde leciona com símbolos do movimento LGBT e palavras de ordem que estimulam a prática homoafetiva.

No início do semestre ela colou adesivos com arco-íris, conhecido símbolo LGBT nos cadernos dos alunos. Um deles o retirou e relata que a professora passou a trata-lo de maneira agressiva.

Já foi identificado que ela faz parte da Rede de Educação para Gays, Lésbicas e Héteros (GLSEN na sigla original) e por isso promoveu o “Dia do Silêncio” na escola, uma comemoração pró-LGBT, que não faz parte do calendário escolar do estado.

Outra reclamação dos pais, que chegou ao conhecimento do Liberty Counsel, é que a professora toca no assunto da homossexualidade com alunos de 12 anos, impondo sua agenda ideológica que ignora a opinião dos pais e as crenças religiosas dos alunos.

Até o momento, a direção da Escola de Ensino Médio Riverview não se manifestou sobre o assunto. Com informações Christian Post




Deixe seu comentário!