Quem ganhou com a queda de Cunha “foi a esquerda”, diz Feliciano

Pastor explica por que votou contra a cassação do ex-presidente da Câmara


Quem ganhou com a queda de Cunha "foi a esquerda", diz Feliciano

O deputado federal Marco Feliciano (PSC/SP) vem sendo criticado por ter sido um dos 10 parlamentares que votaram contra a cassação do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB/RJ). A denúncia de quebra de decoro – por ter mentido sobre possuir contas no exterior – resultou não só na perda do mandato, mas também em sua inelegibilidade até 2027. O placar final foi 450 votos a favor, enquanto 9 preferiram se abster.

Na manhã desta quinta-feira (15), Marco Feliciano justificou sua decisão em um vídeo de 7 minutos postado nas redes sociais. Intitulado “Quem ganhou com a cassação de Eduardo Cunha”, o material mescla manchetes de jornal, discursos de deputados e as explicações do pastor.

“Desde que eu iniciei na vida política eu tenho posições firmes”, enfatiza Feliciano logo no início. Procurando rebater o argumento de que apoia um corrupto, lembrou que a cassação se deveu a ele “supostamente ter mentido em uma CPI”. Para o líder do PSC na Câmara, não estão provadas as acusações de corrupção contra Cunha, mas que, somente após ser julgado pelo STF ele deveria ser responsabilizado.


  Professor ensina a cantar afinado em 61 dias


“Depois que Eduardo Cunha instaurou o processo de impeachment que deflagrou o afastamento da presidente Dilma Rousseff…. todos os partidos de esquerda se uniram contra ele. Todos nós, políticos, sabemos que a cassação… foi puramente vingança política”, esmiuçou Feliciano no vídeo.

Mencionando especificamente PT, PCdoB, PSOL e REDE, o pastor tentou mostrar como o processo contra Cunha faz parte de uma articulação antiga. Citando o “Caderno de Teses do PT- 2015”, mostrou como o perfil conservador do Parlamento atual impediu o avanço de causas de viés esquerdista, que incluem a legalização do aborto e das drogas, além da imposição da ideologia de gênero, e o debate da redução da maioridade penal.

“Eu sou um deputado de direita”, assegurou Feliciano. Para ele, “Cunha era uma pedra de tropeço no caminho da esquerda”. Listando 8 “feitos” do período em que o peemedebista presidiu a Câmara dos Deputados, mostrou que o Brasil só viu o fim do governo petista por causa da sua atuação. O pastor Marco finalizou dizendo que não cometeu o “pecado” de entregar uma vitória na mão da esquerda.

A recepção do vídeo foi mista. Abaixo da postagem, um comentarista escreveu: “Ótima explicação! Realmente não temos direita no Brasil… Não se enganem, o Marco Feliciano foi coerente, como ele disse não estou julgando se ele é corrupto ou não, pois quem deveria fazer isso é o STF”. Enquanto isso, outro se manifestou, dizendo: “Todo corrupto deve ser deposto da política e isso independe totalmente de qualquer pauta que ele defenda. Seja ele de esquerda ou direita, apoie ou não as causas morais pelas quais lutamos”.




Deixe seu comentário!