Rede de fast-food gera polêmica por não apoiar causa gay

Diversos ativistas já se manifestaram pedindo um boicote a rede que tem mais de 1.600 lojas pelo país


Rede de fast-food gera polêmica por não apoiar causa gay

Enquanto ativistas do movimento gay e simpatizantes protestam contra a rede de fast-food Chick-fil-A, o dono da loja conclama cristãos para comerem frango e assim mostrar que o número de pessoas que zela pelos valores familiares é maior.

A lanchonete que tem mais de 1.600 filiais nos Estados Unidos pertence a Rick Santorum, ex-presidenciável republicano. Os problemas com a comunidade gay surgiram no começo deste ano quando ele confessou que só faz doações para empresas que seguem “a definição bíblica” de família.

Em sua página do Facebook a empresa de Santorum não nega que segue os ensinamentos cristãos ao dizer que sempre “aplicou princípios bíblicos” dando como exemplo não abrir aos domingos, por ser o dia destinado para ir a missa ou ao culto. Outro ponto que a fanpage da rede cita é que parte do lucro é realmente doada.

Por insinuar que não apoia entidades que lutam pelos direitos homossexuais, a Chick-fil-A começou a colecionar alguns inimigos, tanto que o prefeito de Boston, Thomas Menino, prometeu vetar a abertura de uma filial na cidade, já que lá o casamento entre pessoas do mesmo sexo é permitido.

Ativistas protestam contra rede Chick-fil-A em Washington

Outra sansão que a rede recebeu veio da empresa que fornece brinquedos dos personagens Muppets que rompeu o contrato para fornecer brindes para as lanchonetes de Rick Santorum.

Mas para mostrar que tem apoio de muitos americanos, o dono da Chick-fil-A conclamou seus seguidores para comerem frango nas suas lanchonetes e assim afrontar o que ele chamou de “boicote liberal”. “Ajude-nos a lutar pelos valores familiares tradicionais e coma frango”, disse ele através de um e-mail.

Com informações Folha.com




Deixe seu comentário!