Silas Malafaia faz campanha alertando cariocas sobre Marcelo Freixo

Denúncias de pastor foram classificadas de “boatos”, mas nenhuma foi desmentida


Malafaia faz campanha alertando cariocas sobre Freixo

O pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo nunca concorreu a um cargo eletivo ao longo de sua trajetória, mas teve participação ativa em muitas campanhas. Vários candidatos apoiados por ele já foram eleitos vereadores, prefeitos, deputados estaduais e federais.

Em 2016, o Rio de Janeiro terá um segundo turno de extremos. Dois Marcelos tentam conquistar o direito de governar a cidade nos próximos 4 anos. Crivella, senador pelo PRB, é bispo licenciado da IURD, aparece como favorito, se levado em consideração o percentual de 27,78% alcançado no último domingo (3).

As críticas que recebe geralmente tem a ver com a ligação dele com a igreja fundada pelo seu tio, Edir Macedo. Embora tenha uma postura conservadora, vem procurando se distanciar da pecha de “líder religioso”, afirmando que não mistura política com religião.


  Aula Gratuita para Você Realizar o Sonho de Tocar Piano. Assista Agora!


Já Freixo é deputado estadual pelo PSOL, partido de extrema-esquerda que tem pautas nacionais conhecidas, como legalização das drogas, do casamento gay e do aborto, além da conhecida ligação com os black blocs que participam de vandalismos travestidos de ações políticas. Mesmo assim conseguiu 18,26% dos votos válidos.

Durante o primeiro turno da campanha, Malafaia já vinha fazendo denúncias, produzindo uma série de vídeos postados internet com o título “Por que você não deve votar em…”. Os alvos no Rio de Janeiro foram os que ele chama de “puxadinhos do PT”: Marcelo Freixo, Alessandro Molon e Jandira Feghali.

Com a decisão ficando apenas entre Crivella e Freixo, Malafaia não vem pedindo votos abertamente para o senador carioca, mas decidiu lembrar os eleitores sobre o que o PSOL defende nacionalmente e as posturas adotadas pelo seu candidato a prefeito.

Indignado com os vídeos do pastor, o psolista minimizou: “É muito bom saber quem são seus inimigos, porque quando são gente como o Malafaia, você sabe que está do lado certo. No século XXI, há forças políticas que parecem viver no século XIV “.

Afirma também que é alvo de “boatos” nas redes sociais. Por isso, decidiu acionar a Justiça Eleitoral e a Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) contra difamações envolvendo seu nome e divulgadas na internet. Ele pretende ainda criar um site para desmentir as notícias falsas.

Fatos e não boatos

Embora Marcelo Freixo negue os fatos, o material produzido por Silas Malafaia apenas mostra alguns dados que a maioria da população pode não saber. Como pastor, ele não se dirige aos evangélicos apenas, mas refere-se sempre ao “povo de Deus”.

No vídeo publicado na terça, o pastor faz um apanhado da trajetória ideológica de Marcelo Freixo e do seu partido.

O mais recente, postado nesta quinta-feira, Malafaia mostrou inclusive documentos na tela para provar suas colocações.

Ideias radicais

Aliados até o último momento da presidente cassada Dilma Rousseff (PT), o PSOL publicou em 2014 um documento chamado “Conjuntura Nacional”onde explica que irá combater o que defende o pastor Marco Feliciano (PSC/SP) e a maioria da bancada evangélica.

Já o seu documento principal, o estatuto do partido, especifica que todos os seus filiados concordam o “programa” de fundação. Nele, é possível ver que seu objetivo principal é transformar o Brasil em um regime socialista. Até recentemente o PSOL apoiava abertamente o regime de Nicolás Maduro

Os psolistas Jean Wyllys e Luciana Genro sempre deixaram claro que defendem a ideologia de gênero, mesmo que ela contrarie o artigo 229 da Constituição Federal – segundo o qual a educação moral é responsabilidade dos pais.




Deixe seu comentário!