Sinédrio de Israel começa julgamento das nações no monte Sião

Barack Obama, papa Francisco e ONU estão entre os réus do tribunal religioso


Sinédrio começa julgamento das nações no monte Sião

O novo Sinédrio, grupo que reúne 71 líderes religiosos judeus, inicia hoje (9) uma série de julgamentos em um tribunal no alto do monte Sião, em Jerusalém. O primeiro intimado a responder é o presidente Barack Obama, por causa do acordo nuclear firmado com o Irã e eu ameaça a segurança de Israel.

A data escolhida para o início das atividades desta “Suprema Corte religiosa” é, no calendário judeu dia 25 do mês de Elul, quando seria o dia da criação do mundo. São quatro dias antes de Rosh Hashana, dia de julgamento divino da nação judaica.

O Sinédrio fará sete julgamentos polêmicos este mês. Além de Obama, o Papa Francisco será julgado dia 20 caso não se retrate das afirmações que fez sobre os judeus não terem direito à terra de Israel ou a Jerusalém. Em agosto foi enviada uma intimação e caso a autoridade máxima dos católicos não compareça, será julgado à revelia.


  Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora!


Todos os julgamentos serão em sessões públicas no espaço conhecido como “salão de Davi”. Nos próximos dias também serão julgadas as “nações de Esaú” [as Nações Unidas], acusadas de colaborar numa conspiração contra o povo de Israel.

Também foram convocados e serão julgados o secretário de Estado dos EUA John Kerry, as Nações Unidas, os países que assinaram o acordo nuclear com o Irã (EUA, Inglaterra, Rússia, Alemanha, França e China), a União Europeia, a UNESCO, os membros do Conselho de Segurança da ONU, o Tribunal Criminal Internacional de Haia e o Tribunal Internacional de Direitos Humanos.

Entre as acusações estão a prática de roubo, imoralidade, assassinato e idolatria. Até agora, nenhum dos nomeados respondeu ao tribunal religioso.

Um dos elementos que chama atenção é a existência, na forma de um adendo, uma possibilidade desses julgamentos serem todos cancelados. Basta que acusados admitam publicamente que Israel pertence aos judeus e apoiem a imediata reconstrução do Templo.

Se para muitos as acusações do Sinédrio não têm valor legal e são absurdas, líderes palestinos já se pronunciaram contra os julgamentos, de acordo com o Breaking Israel News.

A existência do Sinédrio está intimamente ligada ao serviço no Templo. Foi esse mesmo tribunal que condenou Jesus. O fato de ele se reunir no alto do monte Sião remete a uma séria de profecias bíblicas. O rei Davi esperava que a salvação viesse de Sião (Salmo 14:7). O Libertador veio de Sião para tirar pecados (Romanos 11:26-27; cf. Isaías 59:20). Este Redentor é o mesmo Rei que despedaçaria as nações com sua vara de ferro (Salmo 2:6-9). Com informações de Before Its News




Deixe seu comentário!