Templo da Assembleia de Deus é lacrado por excesso de barulho

Mesmo fechada a igreja realizou cultos, sendo dois deles dentro do imóvel e outros na calçada


Templo da AD é lacrado por excesso de barulho

Uma empresária moradora da cidade de Suzano está denunciando um templo da Assembleia de Deus por perturbação do trabalho e sossego alheio. O caso aconteceu no bairro de Miguel Badra, um boletim de ocorrência já foi registrado no mês de abril e no mês seguinte a empresária precisou chamar a polícia.

“Dentro da minha casa eu não tinha privacidade. Para falar eu tinha que gritar. Então, era impossível assistir televisão. Estava afetando minhas filhas que não conseguiam mais estudar. O barulho entrava no quarto delas.”

Uma reclamação foi feita para a Prefeitura de Suzano que precisou fechar a igreja, porém o pastor Devani Rocha tirou o lacre e continuou a fazer os cultos, segundo ele com autorização da secretária municipal de Assuntos Urbanos, Carmen Lúcia Lorente.


  Psicólogo ajuda cristãos a vencer o vício da pornografia


“O lacre na verdade não foi rompido. Ele foi rompido duas vezes por ordem da secretária Carmem que é quem favorece o lacre e deslacre. Nós tivemos autorização dela e temos a assinatura dela. Com essa autorização pudemos deslacrar. A própria secretária autorizou porque seria realizado um casamento e depois a celebração da família. Ela autorizou somente nesses dois dias”, disse o pastor para a reportagem da TV Diário.

Os vizinhos chegaram a tirar fotos das cadeiras da igreja sendo postas na calçada durante os cultos, mostrando que o responsável da igreja descumpriu a determinação de interromper as atividades no local.

A secretária deu declarações de que além do barulho, a igreja foi lacrada por não ter alvará de funcionamento e quando o pastor questiona que nenhuma outra igreja da avenida possui laudo acústico, a secretária explica que o documento não é obrigatório a menos que haja reclamação da vizinhança.




Deixe seu comentário!