Templo da Assembleia de Deus é lacrado por excesso de barulho

Mesmo fechada a igreja realizou cultos, sendo dois deles dentro do imóvel e outros na calçada


Templo da AD é lacrado por excesso de barulho

Uma empresária moradora da cidade de Suzano está denunciando um templo da Assembleia de Deus por perturbação do trabalho e sossego alheio. O caso aconteceu no bairro de Miguel Badra, um boletim de ocorrência já foi registrado no mês de abril e no mês seguinte a empresária precisou chamar a polícia.

“Dentro da minha casa eu não tinha privacidade. Para falar eu tinha que gritar. Então, era impossível assistir televisão. Estava afetando minhas filhas que não conseguiam mais estudar. O barulho entrava no quarto delas.”



Uma reclamação foi feita para a Prefeitura de Suzano que precisou fechar a igreja, porém o pastor Devani Rocha tirou o lacre e continuou a fazer os cultos, segundo ele com autorização da secretária municipal de Assuntos Urbanos, Carmen Lúcia Lorente.

“O lacre na verdade não foi rompido. Ele foi rompido duas vezes por ordem da secretária Carmem que é quem favorece o lacre e deslacre. Nós tivemos autorização dela e temos a assinatura dela. Com essa autorização pudemos deslacrar. A própria secretária autorizou porque seria realizado um casamento e depois a celebração da família. Ela autorizou somente nesses dois dias”, disse o pastor para a reportagem da TV Diário.

Os vizinhos chegaram a tirar fotos das cadeiras da igreja sendo postas na calçada durante os cultos, mostrando que o responsável da igreja descumpriu a determinação de interromper as atividades no local.



A secretária deu declarações de que além do barulho, a igreja foi lacrada por não ter alvará de funcionamento e quando o pastor questiona que nenhuma outra igreja da avenida possui laudo acústico, a secretária explica que o documento não é obrigatório a menos que haja reclamação da vizinhança.




Deixe seu comentário!