Trump fará pronunciamento histórico sobre Jerusalém; palestinos prometem retaliação

Hamas anuncia nova 'intifada' caso EUA reconheça Jerusalém como capital de Israel


Trump fará pronunciamento sobre Jerusalém

Durante sua campanha presidencial, Donald Trump prometeu que iria mudar a embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém, o que equivaleria a reconhecê-la como capital “indivisível” de Israel. Seria uma mudança drástica nas relações, pois desde a década de 1980, por determinação da Organização das Nações Unidas (ONU), todos os países que tem relações com o Estado judeu levaram suas embaixadas para Tel Aviv, incluindo o Brasil.

Não se trata de uma simples mudança geográfica. Trump estaria contrariando todo o discurso da Autoridade Palestina, que quer Jerusalém Oriental como sua capital numa eventual independência. Atualmente, a sede do governo palestino fica em Ramallah.

No dia 29 de novembro completaram 70 anos desde que a ONU reconheceu o direito de Israel voltar a existir como um Estado independente, após quase dois mil anos. Entre as comemorações, o vice-presidente Mike Pense afirmou que nos próximos dias, a mudança da embaixada seria anunciada.

No dia seguinte, a Casa Branca disse que essa era uma questão que estava sendo estudada, mas negou que um comunicado oficial seria feito nesse sentido. Donald Trump fará um pronunciamento na próxima segunda-feira e, segundo vem sendo anunciado pela imprensa americana, irá anunciar apenas o reconhecimento de Jerusalém como “capital indivisível” de Israel, postergando a mudança da embaixada.

A notícia rapidamente repercutiu em todo o Oriente Médio. O Hamas, grupo terrorista que controla a Faixa de Gaza, prometeu uma nova ‘intifada’ [insurreição] caso os EUA realmente reconheçam Jerusalém como capital apenas de Israel. Através de comunicado oficial, ameaçaram uma escalada na violência, reclamando que a mudança seria “violação do direito internacional” e uma “agressão flagrante” contra a cidade onde está situada a “esplanada das mesquitas”, nome árabe para o Monte do Templo. O local é considerado o terceiro mais sagrado no islamismo.

Nabil Abu Rudeineh, porta-voz do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, afirmou que que qualquer solução justa no Oriente Médio requer “o reconhecimento de Jerusalém Oriental como capital de um Estado Palestino independente”.

“Jerusalém Oriental, com seus lugares sagrados, é o começo e o final de qualquer solução e qualquer projeto que salve a região da destruição”, disse à agência de notícias oficial da AP, Wafa.

Saeb Erekat, Secretário Executivo da Organização pela Libertação da Palestina (OLP) afirmou não aceitar “qualquer reconhecimento estadunidense de Jerusalém como capital de Israel” e, que se o governo Trump insistir, estará “brincando com fogo”.

A comunidade internacional não reconhece Jerusalém como capital de Israel embora a anexação da porção oriental da cidade tenha ocorrido durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967.

A última intifada declarada, considerada como um movimento de guerra civil, custou a vida de cerca de 3.000 palestinos e 1.000 israelenses e aconteceu em 2000. Com informações AFP e Times of Israel




Deixe seu comentário!