Trump visita a Israel, anunciando “paz e segurança”

É a primeira visita oficial de um presidente ao Muro das Lamentações


Trump visita a Israel, anunciando "paz e segurança"

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, chegou nesta segunda-feira (22) a Israel, onde se encontrou com o chefe de Estado israelense, Reuven Rivlin, e o premiê, Benjamin Netanyahu.

Há uma grande expectativa que ele faça anúncios para um acordo de paz no Oriente Médio.  “Estamos diante de uma oportunidade pouco comum para trazer segurança e estabilidade à região. Para criar harmonia, prosperidade e paz”, destacou Trump logo em sua chegada ao aeroporto de Ben Gurion. Ele permanecerá cerca de 28 horas no país, visitando Jerusalém e indo a Belém falar com a Autoridade Palestina.

No primeiro discurso, lembrou que o Estado judeu é “uma terra rica em história” e que “construiu uma das grandes civilizações do mundo, uma nação próspera”. Reforçou que ama o país e que sua visita tem como objetivo “reafirmar o laço inquebrantável entre EUA e o Estado de Israel”. Aproveitou para fazer uma referência ao Holocausto, assumindo um compromisso para que nunca se repita “o horror do último século”.

O bilionário tem judeus em sua família – a filha Ivanka de converter após casar com Jared Kushner –  e reforçou sua esperança de que, “no futuro, os moradores da região viverão em paz”, e as crianças poderão “crescer livres do terrorismo e da violência”. “Amamos Israel, respeitamos Israel. Estamos com vocês”, encerrou.

Trump fez uma visita histórica ao Muro das Lamentações, local mais sagrado do judaísmo, onde colocou pedidos de oração entre as pedras, um gesto de reverência ao local que as Nações Unidas tentam retirar do controle de Israel, alegando ser um lugar santo do islamismo.

Mencionando sua visita à Arábia Saudita no domingo, Trump afirma que lá encontrou “novos motivos para a paz” e fez alianças para a luta “contra o terrorismo e a ideologia do mal” entre os líderes do mundo árabe e muçulmano.

Sem mudança de embaixada

O presidente Rivlin, deu boas-vindas calorosas ao chefe de Estado americano e  lembrou que, daqui alguns dias, será o 50º aniversário da Guerra dos Seis Dias, na qual os israelenses festejam a “liberdade e reunificação” de Jerusalém. Contudo, o aguardado anúncio da mudança da embaixada de Tel Aviv para a capital Jerusalém não ocorreu, ainda que tenha sido prometido por Trump desde sua campanha.

Rivalin agradeceu a Trump o reconhecimento do “significado de Jerusalém para os judeus no mundo todo” e também lembrou que, em um único dia, o governante americano “visitará os três lugares sagrados para o Islã, o judaísmo e cristianismo” e indicou que os fiéis dessas três religiões monoteístas devem “trabalhar lado a lado para um futuro melhor”.

Por sua vez, Netanyahu agradeceu o que considerou “uma visita verdadeiramente histórica” e “um bom começo”, já que “nunca antes, a primeira viagem oficial de um presidente dos EUA incluiu uma visita a Israel”.

O premiê também agradeceu a amigo Trump pela oportunidade e deixou claro que “Construímos um estado judeu democrático, moderno e vibrante, que protege todas as fés”,   acrescentando que “a mão de Israel está estendida para a paz a todos os vizinhos, inclusive os palestinos”.

“A paz que buscamos é genuína, na qual um estado judeu seja reconhecido e a segurança fique nas mãos de Israel e o conflito termine de uma vez por todas e para todos”, finalizou Netanayahu. Com informações das agências




Deixe seu comentário!