Túmulos de escravos no Egito podem confirmar relatos bíblicos

Arqueólogo acredita ter encontrado cemitério de escravos hebreus


Túmulos de escravos podem confirmar relatos bíblicos

Akhenaton, que governou o Egito aproximadamente entre 1353 e 1336 a.C., não foi uma figura muito popular. Um dos maiores problemas que enfrentou foi a tentativa de abandonar o politeísmo e centrar a adoração apenas no deus-Sol Aton.

Essa atitude não foi bem aceita pelos sacerdotes da época. Após sua morte, seu filho Tutancâmon restaurou a religião antiga e tentou apagar qualquer vestígio de seu antecessor.

Agora, uma grande expedição arqueológica na antiga capital egípcia de Amarna, liderada pela doutora Mary Shepperson encontrou centenas de túmulos em dois locais distintos.


  Psicólogo ajuda cristãos a vencer o vício da pornografia


O local que ela denominou Cemitério dos Túmulos do Sul, está repleto de restos mortais de homens e mulheres de todas as idades. Eles pertenciam a uma espécie de elite, formada pelos egípcios.

Já os túmulos do Norte trouxeram uma surpresa. “Quando começamos a tirar os primeiros esqueletos do chão, ficou claro imediatamente que os enterros eram muito mais simples que os das Tumbas do Sul. Não havia nada enterrado junto com eles nas sepulturas, basicamente só uma espécie de tapete para envolver os corpos”, explica Shepperson.

“À medida que a escavação progrediu, percebemos que quase todos os esqueletos que exumámos eram crianças, adolescentes e jovens adultos, mas não havia bebês ou idosos… Isso certamente era incomum e até assustador”, continuou.

A doutora, que lidera uma equipe de pesquisadores da Universidade Universidade do Sul de Illinois, acredita que esse era o local onde eram enterrados os escravos. Uma das possibilidades é que sejam de hebreus que ali viviam na época, segundo o Livro de Êxodo.

Dentre os 105 esqueletos retirados do Cemitério dos Túmulos do Norte, os estudiosos comprovaram que 90% pertencem a pessoas que morreram na faixa etária entre 7 e 25 anos, a maioria deles tinha 15 anos.

Um enterro múltiplo do Cemitério dos Túmulos do Norte.

Em entrevista ao The Guardian, Gretchen Dabbs, a líder das pesquisas, explica que as pessoas nessa faixa etária geralmente são saudáveis e não deveriam ter morrido em larga escala.

Um estudo mais aprofundado demonstrou que os corpos possuem lesões corporais e cerca de 10% desenvolveram artrose, caracterizada pela degeneração das cartilagens e ossos. Em 16% dos corpos de crianças menores de 15 anos há fraturas na coluna vertebral. Para Dabbs isso confirma que sua morte foi causada pela excessiva carga de trabalho.

Outro aspecto destacado pelos pesquisadores foi que 43% dos túmulos tinham mais de um indivíduo. Essa seria mais um forte indício que se tratavam de escravos, que não eram enterrados por suas famílias.

Além disso, os cemitérios dos Túmulos do Norte ficam próximo da área onde residiam antigas pedreiras. Há fortes indícios que Akhenaton teria, portanto, usado crianças e adolescentes escravizados para construir sua maior obra, a nova capital Akhetaton, que hoje é mais conhecida pela versão árabe do seu nome: Amarna.

Se for confirmado que os túmulos são de hebreus, estaria sendo “solucionado” um dos grandes mistérios da arqueologia bíblica.

Conclusão questionada

“Temo que não possa aceitar a narrativa do Antigo Testamento como um registro histórico e, portanto, que existe conexão alguma entre Amarna e ‘escravos hebraicos’, rebateu o arqueólogo e o egiptólogo Barry Kemp, em entrevista ao Times de Israel.

Shepperson disse que é necessário esperar pelos resultados dos testes de DNA, para revelar quem realmente eram esses escravos.

“O Cemitério dos Túmulos do Norte pode representar uma população capturada ou deportada trazida a Amarna para trabalhar”, lembra ela. “Esperamos que a futura análise de DNA possa esclarecer as origens geográficas dos esqueletos do Cemitério dos Túmulos do Norte”. Com informações CBN




Deixe seu comentário!